top of page
  • Foto do escritorEquipe

Intestino: o segundo cérebro?


O intestino e o cérebro interagem de maneira bidirecional por meio de sinalizações químicas no eixo denominado “intestino-cérebro”, que atualmente vem sendo identificado como eixo microbiota-intestino-cérebro. Essas comunicações envolvem - direta e indiretamente - os sistemas endócrino, nervoso e imunológico. Esse eixo tem um papel importante não só na manutenção da homeostase gastrointestinal, mas também atua nas funções cognitivas e neuroendócrinas.

A maior parte da serotonina do nosso organismo é sintetizada pelas células enterocromafins, no intestino. Esse neurotransmissor regula a liberação de hormônios, interfere no humor e no apetite, nas funções cognitivas e ainda atua no trato gastrointestinal controlando os movimentos peristálticos e as sensações de náuseas e dor. Além disso, a serotonina atua na regeneração neural. Popularmente, esse neurotransmissor é conhecido como hormônio da felicidade.

A microbiota e a integridade da barreira intestinal também afetam o funcionamento do sistema nervoso central (SNC). Afinal, a translocação de toxinas ou antígenos gera uma inflamação que pode afetar negativamente o funcionamento do SNC (chamada de neuroinflamação).

Considerando a importância do intestino para o funcionamento do sistema nervoso podemos chamá-lo de segundo cérebro. O desenvolvimento e a manutenção da homeostase dos SNC e do TGI está relacionado com as interações do eixo cérebro-intestino. Hábitos de vida, tais como dieta, sono, nível de atividade física e exposição a agentes patogênicos promovem alterações no microbioma intestinal e podem alterar a função cerebral.




Klimova, B., Novotny, M., & Valis, M. (2020). The Impact of Nutrition and Intestinal Microbiome on Elderly Depression-A Systematic Review. Nutrients, 12(3), 710. https://doi.org/10.3390/nu12030710


Tran, SM e Mohajeri, MH (2021). O papel dos metabólitos bacterianos do intestino no desenvolvimento, envelhecimento e doença do cérebro. Nutrients , 13 (3), 732. https://doi.org/10.3390/nu13030732

133 visualizações0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo

Comments


bottom of page