top of page
  • Foto do escritorEquipe

Qual o papel dos prebióticos na modulação intestinal?

Atualizado: 13 de fev. de 2023



Modulação intestinal e sua importância para a saúde, como os prebióticos podem contribuir?


O microbioma intestinal é um ecossistema que age de forma simultânea e mútua com as células do hospedeiro, que deve ser mantido em equilíbrio por meio de uma alimentação balanceada, já que a alimentação é determinante para o equilíbrio microbiano, assim como o consumo periódico de prebióticos e probióticos. Já o desequilíbrio da microbiota intestinal, pode ser influenciado por diversos fatores, tais como uma dieta inadequada, rica em gorduras trans, ou baixo consumo de fibras. Este fator relaciona-se ainda ao alto consumo de conservantes e adoçantes artificiais, mal funcionamento de outros órgãos, estresse crônico, antibióticos ou a ingestão de substâncias químicas, como agrotóxicos e álcool.


Mas o que são prebióticos e como eles podem auxiliar no equilíbrio da microbiota?


Os prebióticos são substratos utilizados seletivamente por microrganismos hospedeiros, conferindo benefícios à saúde, ou seja, se referem às fibras fermentativas que dão suporte para o crescimento de bactérias benéficas ao ser humano. Dessa forma, as substâncias prebióticas podem auxiliar no equilíbrio da microbiota por estimular seletivamente o crescimento e/ou a atividade de um número seleto de espécies bacterianas já residentes no cólon, que podem melhorar a saúde do hospedeiro.


Um padrão alimentar baseado em alimentos de origem vegetal e, dessa forma, rico em polifenóis e fibras alimentares, especialmente fibras prebióticas, favorece a microbiota intestinal. Assim, a modulação de uma microbiota intestinal saudável, seja buscando a recuperação do funcionamento ou a manutenção do equilíbrio microbiano intestinal, reduz o risco de desenvolvimento de diversas doenças.


Ação dos prebióticos


Os prebióticos entram no intestino, porém em sua maior parte, não são digeridos no intestino delgado, e sim metabolizados no intestino grosso, sendo utilizados seletivamente, o que impulsiona o aumento do crescimento bacteriano benéfico, de gêneros ou espécies específicas e por isso, possuem a capacidade para modificar a composição da microbiota colônica, de forma que as bactérias benéficas sejam predominantes. Após a fermentação pela ação bacteriana, os prebióticos são degradados e os seus produtos são chamados de ácidos graxos de cadeia curta (AGCC), incluindo acetato, butirato e propionato. Esses são compostos usados pela microbiota intestinal para seu próprio metabolismo ou liberados no lúmen intestinal.


No entanto, a influência dos prebióticos ocorrem de maneira distintas, por mecanismos indiretos e diretos:


Ações indiretas:

• Modulação da fermentação microbiana, estimulando bactérias bífidas que são responsáveis pelo aumento de AGCC.

• Diminuição do pH.

• Diminuição da absorção de amônia, dentre outros.

• Regulação imunológica.


Ações diretas:

• Aumento do tempo de esvaziamento gástrico.

• Modulação do trânsito do trato digestivo (melhora do volume fecal).

• Diminuição de colesterol via adsorção de ácidos biliares.


Dessa maneira, entende-se que os prebióticos não atuam apenas impulsionando a mudança do microbioma a partir do crescimento de bifidobactérias e lactobacilos no intestino, mas também através de efeitos sistêmicos, nas vias metabólicas e processos fisiológicos do hospedeiro. Por isso, quando ingeridos em quantidades adequadas e de acordo com a necessidade real do paciente, tornam-se importantes agentes preventivos e terapêuticos em algumas doenças humanas.


E quanto à recomendação de ingestão?


É importante ressaltar que cada caso deve ser investigado e estudado por um profissional qualificado. Além disso, ainda há a variação de acordo com o objetivo a ser alcançado e tipo de prebiótico. No entanto, em linhas gerais, os estudos sugerem a recomendação de ingestão diária média de prebióticos de 3 a 8 gramas/dia na alimentação, como o mínimo para obtenção de algum efeito metabólico/suporte para saúde intestinal.


---


Artigo relacionado

Entenda melhor sobre o tema:



Referências bibliográficas

MARQUES, Chayane Gomes; CRUZ, Edna Milene Ribeiro Maia da; BEZERRA, Valéria Mendes; COSTA, Joana Talita Galdino; LIRA, Sandra Machado; HOLANDA, Marcelo Oliveira; SILVA, José Ytalo Gomes da; CANABRAVA, Natália do Vale; SILVA, Bruno Bezerra da; GUEDES, Maria Izabel Florindo. Prebióticos e probióticos na saúde e no tratamento de doenças intestinais: uma revisão integrativa. Research, Society And Development, [s. l], v. 9, n. 10, p. 6459109071, 12 out. 2020. Research, Society and Development. DOI: https://doi.org/10.33448/rsd-v9i10.9071.


SANDERS, Mary Ellen; MERENSTEIN, Daniel J.; REID, Gregor; GIBSON, Glenn R.; RASTALL, Robert A.. Probiotics and prebiotics in intestinal health and disease: from biology to the clinic. Nature Reviews Gastroenterology & Hepatology, [S.L.], v. 16, n. 10, p. 605-616, 11 jul. 2019. Springer Science and Business Media LLC. DOI: https://doi.org/10.1038/s41575-019-0173-3.


BOYAJIAN, Jacqueline Lena; GHEBRETATIOS, Merry; SCHALY, Sabrina; ISLAM, Paromita; PRAKASH, Satya. Microbiome and Human Aging: probiotic and prebiotic potentials in longevity, skin health and cellular senescence. Nutrients, [S.L.], v. 13, n. 12, p. 4550, 18 dez. 2021. MDPI AG. http://dx.doi.org/10.3390/nu13124550.

Comments


bottom of page